24 de abril de 2007

25 de Abril :

"Não há excesso de liberdade se aqueles que são livres são responsáveis. O problema é liberdade sem responsabilidade."
Milton Friedman

Valeu a pena o 25 de Abril?
Os anos passam e a frieza dos julgamentos ganham corpo. Os "pais" da democracia envelhecem, saem de cena, dando espaço a que os nascidos depois do 25 de Abril (como eu) possam fazer eles próprios o seu "filme" dos acontecimentos. Hoje já não é tudo branco/preto, maus/bons ou fascistas/democratas.
A instauração da Democracia veio efectivamente com o 25 de Abril. Mas com preconceitos. Muitos preconceitos. Proletariado, Revolução, Fascismo e Nacionalizações são palavras que estiveram tempo de mais no nosso léxico. Não posso esquecer que até finais dos anos 90 prevalecia, constitucionalmente, o carácter irreversivel das nacionalizações. Não posso esquecer que nos anos 80 se "levava pancada" por ser de Direita em Portugal ( pelo menos até às presidenciais de 86).
Como esquecer o drama da Descolonização?
Foi uma pena a elite dirigente de Portugal ter tido pouca visão politica nesses anos decisivos. São tempos loucos em que o PCP e o PS deliram com revoluções distantes e terceiro-mundistas. São tempos loucos em que o PSD tenta entrar na internacional socialista e o CDS se diz centrista.

É tempo de seguir em frente. É tempo de agradecer aos que tiveram um papel importante na história mas dizer-lhes também que chega de alvíssaras.

O 25 de Abril foi importante, mas é um capítulo que devemos fechar rápidamente, e deixar de balizar as nossas vidas no "antes" e no "depois".

4 comentários:

Farpas disse...

Eu pelo contrário acho que deveríamos era abrir o Capítulo de Abril novamente...

MANUEL HENRIQUES disse...

Acho que o entendo....mas vai ter de convir que se fizeram muitos disparates. O balanço, apesar das reservas, é positivo ( mas não entusiasta).
Desculpe lá esta minha costela direitista
Um abraço

Farpas disse...

Claro que no meio houve, e há, muitos (mas mesmo muitos) disparates, ideais que ficaram pelo caminho, princípios que se renderam aos costumes e ganância... Para mim (que só vivi o "pós") o balanço é positivo com todos os seus defeitos, mas é por não me conformar com este Abril que temos, que me parece mais do que necessário continuar a mostrar o que foi Abril e a tentar que se faça cada vez mais...

Como é óbvio eu sou de esquerda assumido, mas é uma esquerda muito minha... não sei se me faço entender... é uma esquerda que eu idealizo e não a esquerda que outros querem, e nesta minha esquerda uma direita é essencial, quanto mais não seja para que me façam abanar de vez em quando ;)

MANUEL HENRIQUES disse...

100 % de acordo :)
A minha direita também não é a dos partidos...