24 de abril de 2007

Campo Pequeno e o 25 de Abril ( imaginações férteis)




7 comentários:

PortugaSuave disse...

É isto que lhe apraz dizer sobre o 25 de Abril!
Extremamente redutor no contexto histórico, não acha?

Braulio Purista disse...

Estou preocupado com post colocado sobre o 25 de Abril, .Muito redutor se não humilhante...

MANUEL HENRIQUES disse...

@Portuga Suave e Braulio Purista,

Se fosse só isto seria concerteza muito redutor. Escrevi um pouco mais sobre o assunto
http://obeiraorecalcitrante.blogspot.com/2007/04/25-de-abril.html

Criaturas como a do post - Otelo - são as que ao longo dos anos deram má fama ao 25 de Abril.

Infelizmente, e vai ter que me fazer a franqueza, é impossivel falar desta data sem falar dele e de outros que tais ( Isabel do Carmo, Vasco Gonçalves..)

No contexto histórico, e na euforia da revolução, pessoas como as referidas proposeram ( e fizeram em Portugal) actos tão totalitários como os praticados por o poder politico deposto.

Tenho muita pena de não poder falar apenas de Soares, Sá-Carneiro, Freitas do Amaral, etc.

Aceito que tenha sido um passo importante para a sociedade democrática,mas esta demorou ainda uns bons anos a consolidar-se.

Convem recordar como peculiares eram alguns conceitos de democracia. Mesmo em Canas, nessa altura ( e não estamos a falar própriamente da magem sul ou do alentejo) certos partidos tinham a sua voz politica condicionada.

Tempos passados felizmente. Hoje temos é de olhar para a frente (não nos faltam motivos (locais e nacionais)

PortugaSuave disse...

Se o este post é redutor o outro confirma a sua costela de direita, mesmo que “da sua direita”. Aceita a data porque é politicamente correcto fazê-lo mas enferma no erro comum de fazer análise sem atender aos aspectos emocionais que a revolução despoletou, à inevitabilidade do novo rumo ideológico à esquerda e à sua prática, ainda que enviesada, pois sem ele não haveria a consensual democracia. Nunca vi uma revolução ou um golpe de estado de direita conduzir à democracia. Dê graças por a nossa se ter posicionado à esquerda.
Cumprim.

MANUEL HENRIQUES disse...

@portugasuave

Acredite, com sinceridade, que não tenho nenhum complexo com o 25 de Abril.As figuras que lhe citei ( Otelo, Vasco Gonçalves) nada tem de democrático.

Sobre as revoluções de direita/esquerda muito haveria por dizer. Até à queda do muro de Belim é válido aquilo que diz. Depois disso as revoluções ditas de direita têm mostrado mais pergaminhos democráticos. Veja o recem falecido Ieltsin que, ao derrubar o que restava do Comunismo na Rússia, contribuiu para a democratização. Veja todas as "revoluções" ocorridas na europa de leste ( p.ex na Roménia de Ceausescu). A democratização, nos últimos anos, é mais de direita do que de esquerda.

No caso portugês o grande problema foi sobretudo cultural. Era impensável criar uma moderna democracia liberal quando ainda nos inspirávamos na Revolução Cubana, no Livro Vermelho de Mao, ou outros anacronismos desse tipo.
Por esse tempo, no leste, ser "revolucionário" era ler Hayek e Milton Friedman.

PortugaSuave disse...

Ó Manel, não me vai dizer que o desmoronamento dos regimes comunistas de leste foi ditado pela direita... nem tudo o que se opõe à esquerda é de direita e muito menos no caso dos países de leste. Isso até eu sei.
Quanto a Portugal, não se esqueça que estávamos em 1974, e que a classe política emergente se tinha inspirado no melhor que a esquerda tinha para dar, acreditando piamente ser aquele o caminho ideal para o bem estar social e para o progresso almejado. Não vejo aqui anacronismo nenhum. Nesse tempo a expressão "democracia liberal", seja lá o que isso for, é que seria perfeitamente anacrónica.
Cumprim.

MANUEL HENRIQUES disse...

@PortugaSuave,

Sobre o desmoronamento dos regimes de leste não lhes precisa de chamar de direita. Recordo-lhe contudo que teve e tem nesses países verdadeiras "economias de mercado" (no sentido liberal do termo)com democracia pluralista. Face ao que vigorava nesses países, vai ter de convir que não é de esquerda que falamos.

Espero que não esteja a associar ao termo "Direita" apenas a ditaduras.

Sobre o anacronismo "liberal" dos anos 70 penso que não está correcto o que diz. Foi nessa decada que se iniciou a revolução Thatcher e que Friedman e Hayek ganharam os prémios nobel da Econonomia o que antevia as grandes mudanças ainda em curso.