15 de maio de 2007

Helena Roseta

Ainda que consisere Roseta uma verdadeira mestre em tiros de pólvora seca, não posso deixar de me indignar com a conduta pouco democrática da entourage socialista em mais um caso de abuso de poder.
A governadora civil, cujo chefe é o mais-que-provável-sucessor-de-Carmona, marcou eleições para 1 de Julho. Esta data inviabiliza hipotéticas coligações (cujo prazo acabou hoje), como obriga, no caso uma candidatura independente, a serem entregues 4000 assinaturas de recenseados em Lisboa até domingo.
Goste-se ou não de Roseta, esta conduta do PS é absolutamente lamentável e anti-DEMOCRÁTICA.
Para os recenseados em Lisboa( que não é o meu caso), e que queiram mostrar ao partido do Sr. Engº que a Democracia tem regras ( que não precisam de estar escritas) pode fazê-lo em http://cidadaosporlisboa.blogspot.com/2007/05/urgncia-na-recolha-das-assinaturas.html

2 comentários:

pedro disse...

Se fosse só do PS... parece-me ser tabu para todos os partidos falar frontalmente do assunto.

Afinal qual era o problema do dia 8 Julho? Estaria tudo de férias?!
Ou mesmo 15 Julho.

É a golpada da partidocracia.

Abrs,
PAQ.

MANUEL HENRIQUES disse...

Concordo. É uma vitória na secretaria.