9 de janeiro de 2009

Caso Esmeralda : O crime ( às vezes) não compensa

Hoje é um dia grande para a justiça em Portugal.
A coragem da Magistrada Judicial de Torres Novas põe fim a um dos maiores embustes mediáticos dos últimos anos: o caso Esmeralda.
O Pai da criança ( não existem pais afectivos) reclama pela gurda de Esmeralda não tinha esta criança sequer 1 ano. Desde 2004 que a perfilhou. Contudo um maquiavélico esquema orquestrado por gente tão importante como ignorante manipulou a opinião pública, vitimizando o "Sargento" e "diabolizando" o pai biológico. Este esquema permitiu ilidir o rapto grotesco da criança, os obstáculos às visitas do pai biológico e outras nuvens de fumo. O Direito da Familia protege em primeiro lugar os vínculos biológicos. Se estes são estáveis não existem forma de justificar o sequestro de crianças, à margem das regras da adopção, para justificar o injustificável.